fbpx
con-renova-acreditacao-da-organizacao-nacional-de-acreditacao-ona.jpg?time=1718874504

10/11/2023 CON

O Centro de Oncologia e Hematologia (CON) recebeu recentemente a acreditação ONA nível 2 – Acreditado Pleno, por atender aos padrões e requisitos de segurança do paciente e gestão integrada em todas as áreas.

Além de avaliar os critérios de segurança, esta acreditação também exige da organização uma gestão integrada dos processos, promovendo ações de melhorias entre as áreas. 

De acordo com o Superintendente Técnico da ONA, Dr. Péricles Cruz, a certificação de uma organização de saúde através da acreditação é um reconhecimento de que a instituição atende aos rigorosos padrões que a metodologia exige. 

“Nós estamos muito satisfeitos com a acreditação recebida, pois estamos sempre em busca de melhorar nossos serviços para oferecer o melhor atendimento aos nossos pacientes. Conquistar essa acreditação nos motiva ainda mais a alcançar a acreditação em excelência, nível 3. Nossa equipe irá continuar trabalhando para desenvolver e implementar ações de melhoria em toda a instituição, visando a segurança do paciente em todos os momentos”, relata o Dr. Mixel Tenenbaum, presidente do CON. 

Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão no Rio de Janeiro

O Centro de Oncologia e Hematologia (CON) oferece tratamentos multidisciplinares nas áreas de oncologia clínica, onco-hematologia e um centro de terapia infusional, trabalhando sob uma perspectiva humanizada. Clique aqui para agendar a sua consulta no CON ou ligue para a nossa Central de Atendimento (21) 3820-0068. Se você é médico, encaminhe seu paciente!


hormonioterapia-como-lidar-com-os-sintomas-do-tratamento.jpg?time=1718874504

27/09/2023 CON

A hormonioterapia é um procedimento usado para tratar os cânceres que são  estimulados por hormônios. O tratamento pode ser usado de forma isolada ou combinado a outros, como a quimioterapia e a radioterapia.

Ela também pode ser combinada com procedimentos cirúrgicos. Após uma cirurgia, o tratamento com hormonioterapia em alguns tipos de câncer de mama, por exemplo, diminui a chance de recidiva da doença. Pode-se utilizar a hormonioterapia também antes de uma cirurgia, em casos mais selecionados,  onde  é necessário reduzir o tamanho do tumor e outras estratégias de tratamento que não estão indicadas. 

Embora seja eficaz no combate de alguns tumores, a hormonioterapia pode causar uma série de efeitos colaterais, que variam de acordo com o tipo de medicamento e a resposta individual do paciente.

Aqui estão alguns sintomas comuns associados à hormonioterapia e algumas dicas de como lidar com eles:

Fogachos (ondas de calor)

Esses episódios de calor intenso podem ser desconfortáveis. Tente vestir-se em camadas, evite alimentos condimentados, cafeína e álcool, e mantenha um ambiente fresco e bem ventilado.

Alterações de humor

Alguns medicamentos hormonais podem afetar o humor, causando ansiedade, irritabilidade ou tristeza. Converse com seu médico sobre esses sintomas e considere o suporte psicológico, como terapia ou grupos de apoio.

Ganho de peso

A hormonioterapia pode levar ao aumento de peso. Mantenha uma alimentação equilibrada, com alimentos saudáveis e porções adequadas. Exercite-se regularmente, de acordo com suas possibilidades e com orientação médica.

Fadiga

É comum sentir-se cansado durante o tratamento hormonal. Priorize o descanso e o sono adequado. Se possível, divida as tarefas diárias em pequenas etapas e peça ajuda quando necessário.

Alterações na libido

A hormonioterapia pode afetar o desejo sexual. É importante comunicar-se abertamente com o(a) parceiro(a) sobre essas mudanças e explorar outras formas de intimidade e conexão.

Alterações na pele e nos cabelos

Alguns medicamentos hormonais podem causar alterações na pele e nos cabelos. Mantenha uma rotina de cuidados com a pele adequada e procure produtos suaves. Em relação aos cabelos, considere cortes curtos, perucas ou lenços, se necessário.

Alterações ósseas 

Em alguns casos, a hormonioterapia pode aumentar o risco de enfraquecimento dos ossos. Converse com seu médico sobre a necessidade de suplementação de cálcio e vitamina D, bem como a importância da prática de exercícios físicos adequados.

Lembre-se de que essas dicas são gerais e é essencial conversar com seu médico especialista para obter orientações específicas para o seu caso. O médico poderá ajustar a dosagem dos medicamentos, prescrever tratamentos adicionais ou encaminhá-lo para profissionais especializados em cuidados paliativos, se necessário. O suporte psicológico também pode ser valioso para ajudar a lidar com os efeitos emocionais e físicos da hormonioterapia.

Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão no Rio de Janeiro

O CON é mais do que uma clínica de oncologia, é um Centro de Saúde que desde 1995 oferece tratamentos multidisciplinares nas áreas de oncologia clínica, onco-hematologia e um centro de terapia infusional sob uma perspectiva humanizada. 

O Centro de Saúde acompanha os avanços tecno-científicos, com unidades modernas, confortáveis e acolhedoras para atender todas as necessidades dos seus pacientes. 

O CON dispõe de 4 unidades presentes na Barra da Tijuca, Botafogo, Niterói e São Gonçalo.⠀

Conte com o CON para realizar o seu tratamento e vencer o câncer. 

Clique aqui para agendar a sua consulta no CON ou ligue para a nossa Central de Atendimento (21) 3820-0068. Se você é médico, encaminhe seu paciente!


o-que-voce-precisa-saber-sobre-o-cancer-de-mama.jpg?time=1718874504

As mamas têm uma ligação muito forte com o feminino e a maternidade. Por isso, ao receber um diagnóstico de câncer de mama, não é incomum que a mulher sofra um abalo na sua autoestima. Infelizmente, muitas mulheres são acometidas pelo câncer de mama, que é um dos mais comuns em todo o mundo.

A boa notícia é que as chances de cura do câncer de mama aumentam, se diagnosticado precocemente, e com o avanço da medicina, em muitos casos não há necessidade de realizar cirurgia para a retirada total da mama (mastectomia). 

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), no Brasil, com exceção dos tumores de pele não melanoma, o câncer de mama é o mais incidente em mulheres de todas as regiões. No mundo, o câncer de mama é a principal causa global de incidência, com 11,7% do total de casos.

Segundo dados da Pesquisa de Estimativa de Câncer no Brasil do INCA, para o triênio de 2023 a 2025, a incidência do câncer de mama será de 73.610 casos, correspondendo a um risco estimado de 66,54 casos novos a cada 100 mil mulheres. 

A pesquisa aponta, ainda, que o câncer de mama feminina é o mais incidente no país e em todas as regiões brasileiras. O maior risco é observado na região Sudeste, de 84,46 por 100 mil mulheres. O risco é de 71,44 casos por 100 mil na região Sul; de 57,28 casos por 100 mil na região Centro-oeste; de 52,20 casos por 100 mil na região Nordeste; e de 24,99 casos novos por 100 mil mulheres na região Norte.

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células anormais da mama. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem lentamente.

Conheça os principais tipos de câncer de mama

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o câncer de mama é um grupo heterogêneo de doenças, com comportamentos distintos. A heterogeneidade deste câncer pode ser observada pelas variadas manifestações clínicas e morfológicas, diferentes assinaturas genéticas e consequentes diferenças nas respostas terapêuticas.

O câncer de mama não é uma doença única e, sim, um conjunto de enfermidades que têm em comum a presença da célula maligna originada na mama. Por essa razão, existe uma classificação em grupos, para que seja possível definir estratégias de tratamento mais adequadas.

Os três tipos mais comuns de câncer de mama são:

  • Carcinoma ductal in situ ou Carcinoma Intraductal – É uma forma inicial de neoplasia em que as células malignas ainda não invadem a membrana basal.
  • Carcinoma invasivo –  É a categoria mais comum de câncer de mama e se inicia em um ducto mamário.
  • Carcinoma lobular invasivo – Origina-se nas glândulas que são responsáveis pela produção de leite. Esse tipo de câncer é o mais difícil de ser diagnosticado durante a realização da mamografia.

Tipos raros de câncer de mama

  • Doença de Paget – Inicia-se nos dutos mamários e se dissemina para a pele do mamilo e para a aréola. É raro, representando de 1 a 3% dos casos de câncer de mama.
  • Angiossarcoma – Representa menos de 1% dos cânceres de mama. Tem início nas células que revestem os vasos sanguíneos ou linfáticos. Pode envolver o tecido mamário ou a pele da mama. 
  • Tumor Filoide – Se desenvolve no tecido conjuntivo, em contraste com os carcinomas, que se desenvolvem nos ductos ou lóbulos.
  • Câncer de mama inflamatório – É um dos tipos mais raros do câncer de mama. Atinge cerca de 1 a 5% dos casos diagnosticados da doença.

Mulher, previna-se contra o câncer de mama!

Quando o câncer de mama é detectado precocemente, as chances de cura da doença são de até 95%. Por isso, a prevenção é a melhor arma que a mulher tem para lutar contra o câncer e, para isso, existem alguns métodos para o rastreamento da doença. 

Os principais métodos de rastreio são:

  • Consulta médica com especialista para exame clínico das mamas anualmente.
  • Exame de mamografia, indicado para todas as mulheres na faixa etária de 50 a 69 anos, conforme recomendação do Ministério da Saúde.
  • Atualmente não é recomendado o autoexame das mamas como técnica a ser ensinada às mulheres para rastreamento do câncer de mama. Estudos sobre o tema não demonstraram efetividade e foram vistos possíveis danos associados a essa prática. Embora uma vigilância atenta, o conhecimento do próprio corpo e a busca de serviço médico no surgimento de um achado diferente são ainda incentivados. (INCA.gov.br – 14/10/2019)

É importante ressaltar que mulheres que possuem história de câncer de mama na família, principalmente em parentes de primeiro grau, devem procurar acompanhamento médico e realizar a mamografia a partir dos 35 anos de idade.

Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão no Rio de Janeiro

O CON é mais do que uma clínica de oncologia, é um Centro de Saúde que desde 1995 oferece tratamentos multidisciplinares nas áreas de oncologia clínica, onco-hematologia e um centro de terapia infusional sob uma perspectiva humanizada. 

O Centro de Saúde acompanha os avanços tecno-científicos, com unidades modernas, confortáveis e acolhedoras para atender todas as necessidades dos seus pacientes. 

O CON dispõe de 4 unidades presentes na Barra da Tijuca, Botafogo, Niterói e São Gonçalo.⠀

Conte com o CON para realizar o seu tratamento e vencer o câncer. 

Clique aqui para agendar a sua consulta no CON ou ligue para a nossa Central de Atendimento (21) 3820-0068. Se você é médico, encaminhe seu paciente!


con-atinge-mais-de-97-de-satisfacao-entre-os-seus-pacientes-no-segundo-semestre-de-2022-1.jpg?time=1718874504

10/05/2023 CON

Como forma de melhoria contínua e garantia de um serviço de qualidade, o CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão realizou, no segundo semestre de 2022, uma pesquisa entre os seus pacientes. No resultado, dos pacientes que responderam a pesquisa, o CON atingiu o índice de 97,5% de satisfação entre aqueles que utilizaram os serviços. 

A pesquisa é feita a partir da questão “Em uma escala de 0 a 10, o quanto você recomendaria nosso trabalho a um amigo ou familiar?” e, com esse resultado obtido, ficou evidente que o CON se destaca e se empenha em entregar, com excelência, tratamentos multidisciplinares nas áreas de oncologia clínica, onco-hematologia e no nosso centro de terapia infusional.

Além disso, com o restante dos dados, é possível aplicar as mudanças necessárias apontadas por nossos pacientes, a fim de continuar proporcionando um atendimento personalizado e humanizado. A pesquisa de satisfação foi realizada também de maneira anônima, para garantir a segurança e a privacidade de todos.

O CON está sempre buscando se reinventar e se adequar a todas as necessidades individuais dos pacientes e acreditamos que, compartilhar esta informação, reforça o nosso compromisso integral com a sua saúde e dos seus familiares e amigos. 

Confira os resultados da pesquisa

Número de participantes: 436 pacientes

Promotores (pacientes que deram notas entre 9 e 10 e que possuem grande probabilidade de indicar nosso serviço): 97,5%

Neutros (pacientes que deram notas entre 7 e 8 e que possuem média probabilidade de indicar nosso serviço): 2,04%

Detratores (pacientes insatisfeitos e que não indicariam nosso serviço): 0,46%

Conheça alguns dos principais diferenciais do CON, que garantiram este índice de satisfação:

  • Capilaridade com 2 unidades no Rio de Janeiro, 1 em Niterói e uma em São Gonçalo;
  • Selo de Qualidade ONA nível II
  • Corpo clínico especializado altamente experiente e capacitado para levar o melhor atendimento aos nossos pacientes;
  • Programa Integralis, com linha de cuidados, onde os pacientes recebem acolhimento em todas as etapas do seu tratamento;
  • Segurança, bem-estar e conforto para pacientes e familiares;
  • Mais de 40 convênios e planos de saúde atendidos;
  • Consultas em Nutrição Oncológica, Psico-Oncologia e Fisioterapia;
  • Acompanhamento hospitalar em caso de internação;
  • Serviço de farmácia clínica;
  • ALÔ CON: canal exclusivo para pacientes e familiares do CON se conectarem com nossa equipe de enfermagem, suporte aos finais de semana e feriados.

Clique aqui para agendar a sua consulta no CON ou ligue para a nossa Central de Atendimento (21) 3820-0068. Se você é médico, encaminhe seu paciente!


cuidado-acreditado-pela-ona-conheca-os-principais-diferenciais-do-con.jpg?time=1718874504

Os critérios de segurança, a excelência no atendimento e a gestão integrada de todos os processos são valores do CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão, acreditados pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). Na organização, o CON é Acreditado Pleno, também conhecido como ONA Nível II, o que determina o cumprimento de todos os padrões de qualidade, bem como os de gestão, com processos ocorrendo de maneira fluida, didática e equilibrada, além de uma comunicação integral entre as atividades.

Este é o resultado de um trabalho árduo, constante e responsável, que objetiva o cuidado em sua totalidade. Há quase trinta anos, o CON oferece um ambiente completo para que as pessoas recuperem sua saúde com leveza e tranquilidade, junto de uma equipe multidisciplinar e diversos diferenciais somente encontrados na clínica. A precisão médica e o atendimento individualizado é a maior prioridade do CON, que cuida das necessidades dos pacientes, das famílias e dos médicos encaminhadores com zelo e profissionalismo.

Fundador, presidente e responsável técnico do CON nas unidades da Barra da Tijuca e Botafogo, o oncologista Mixel Tenenbaum possui mais de 55 anos de carreira, passando pelos maiores serviços médicos do país, além de ter integrado o Serviço de Oncologia do Instituto Nacional de Câncer (INCA) e ser integrante da European Society for Medical Oncology (ESMO). Tenenbaum preza por equipes multidisciplinares no CON, trabalhando com transparência, cooperação, comprometimento e ética.

Conheça os principais diferenciais do CON:

  • Com 4 unidades, atuamos no Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo;
  • Infraestrutura médica composta pelas ferramentas e tecnologias mais modernas do mercado;
  • Programa Integralis, com um olhar integral para a saúde do paciente;
  • Segurança, bem-estar e conforto para pacientes e familiares;
  • Mais de 40 convênios e planos de saúde atendidos;
  • Consultas em Nutrição Oncológica, Psico-Oncologia e Fisioterapia;
  • Acompanhamento hospitalar em caso de internação;
  • Serviço de farmácia clínica;
  • Pesquisa clínica em Oncologia e Hematologia;
  • ALÔ CON: canal de contato exclusivo para pacientes e familiares;
  • Entre outros serviços.

Mais do que uma clínica de Oncologia, o CON é um centro de saúde que caminha lado a lado com os avanços tecno-científicos, oferecendo unidades modernas, confortáveis e acolhedoras aos pacientes e seus familiares.

CON: mais que uma clínica de Oncologia, um Centro de Saúde

Clique aqui para agendar a sua consulta no CON ou ligue para a nossa Central de Atendimento (21) 3820-0068. Se você é médico, encaminhe seu paciente!


saiba-como-o-diagnostico-precoce-de-cancer-aumenta-as-chances-de-cura-no-tratamento.jpg?time=1718874504

Com o avanço tecnológico, o diagnóstico precoce de câncer tem se tornado cada vez mais possível entre os pacientes que apresentam a doença, aumentando em até 90% as chances de cura durante o tratamento.

Atribuído às mais de 100 variações de doenças malignas, o câncer é uma condição de saúde séria que consiste no crescimento desordenado de células, podendo atingir tecidos ou órgãos próximos à área afetada.

Emagrecimento e sangramento anormais, alterações na urina e nas fezes, febre, cansaço intenso e dor são alguns dos sintomas que podem indicar a presença da doença. 

Como o câncer é uma doença progressiva, o diagnóstico precoce é muito importante para identificar lesões pré-malignas ou a existência da doença em estágio inicial, ainda que não apareçam sinais prévios. Além de aumentar as chances de cura, ele também pode reduzir a proporção e a intensidade do tratamento, que deve ser avaliado e definido por um médico especialista.

Tratamentos oncológicos disponíveis no CON 

O CON é um Centro de Saúde especializado que conta com tecnologias avançadas e uma equipe multidisciplinar para realizar os seguintes tratamentos com segurança e humanização:

Biópsia de medula óssea

Esse tipo de procedimento, feito com anestesia local para amenizar o desconforto, auxilia no diagnóstico dos cânceres que atacam as células sanguíneas. Por meio de uma agulha, é retirado um pequeno fragmento de tecido mole encontrado no interior do osso. Após a coleta, o material é enviado para análise em laboratório de anatomia patológica, onde são identificados detalhes do câncer, como o estágio da doença. Essas informações irão auxiliar na decisão do tratamento mais adequado.

Centro de Terapia Infusional

Dedicado ao tratamento intravenoso, subcutâneo ou intramuscular, em regime de day clinic, esse tratamento pode ser feito nos Centros de Infusão de nossas unidades (São Francisco, São Gonçalo, Barra da Tijuca e Botafogo). A aplicação é acompanhada por uma equipe de médicos, enfermeiros e farmacêuticos capacitados em infusão de medicamentos injetáveis. O Centro de Infusão do CON atende aos tratamentos oncológicos e não oncológicos, como diversas doenças crônicas. Conheça todos os tratamentos realizados.

Hormonioterapia

Esse procedimento é aplicado ao tratamento de cânceres que se desenvolvem em locais diretamente estimulados por hormônios. Pode ser feito isoladamente ou combinado a outros tipos, como a quimioterapia, radioterapia ou procedimentos cirúrgicos. 

Imunoterapia

Utiliza medicações para induzir o próprio sistema imunológico do paciente a identificar as células cancerosas e combatê-las. O foco desse tratamento é fazer com que o tumor reduza de tamanho para somente depois erradicá-lo. Os medicamentos podem ser aplicados nas veias ou de forma subcutânea.

Laserterapia

Indicada no tratamento de feridas abertas, lesões de tecidos moles, processos inflamatórios e dores associadas a várias etiologias. Pacientes com cânceres de cabeça e pescoço, hematopoiético, além de candidatos a transplante de medula óssea podem realizar esse tipo de procedimento, desde que definido pelo médico responsável pelo tratamento.

Manutenção e cuidados com cateteres

O ideal nesse tipo de procedimento é que seja feito mensalmente ou de acordo com a orientação médica, em cateteres que não estejam em utilização por mais de 30 dias, garantindo que a passagem esteja livre e segura para uso.

Quimioterapia

Utiliza medicamentos que interrompem ou retardam o crescimento de células do câncer. Em alguns casos, esse tratamento também pode ser associado a outros procedimentos, como cirurgia, radioterapia ou terapia biológica.

Terapia Alvo

Utiliza o conceito de terapia personalizada, a partir do entendimento da ação dos genes. Com a identificação desse alvo molecular, podem ser utilizados medicamentos específicos que levam em consideração as características do tumor. 

CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão no Rio de Janeiro

O CON é formado por oncologistas e hematologistas, alinhados aos avanços científicos e tecnológicos disponíveis mundialmente, dentro dos preceitos éticos instituídos, proporcionando atendimento individualizado e humanizado aos pacientes com câncer e aos seus familiares. Para oferecer os Serviços de Cuidados Clínicos Integrados (SCCI), contamos com uma equipe de enfermeiros, farmacêuticos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e fisioterapeutas todos com formação especializada em oncologia. Atendemos nos bairros Barra da Tijuca e Botafogo, no Rio de Janeiro; São Francisco, em Niterói e no Centro, em São Gonçalo. Clique aqui para agendar a sua consulta no CON ou ligue para a nossa Central de Atendimento: (21) 3820-0068. Se você é médico, encaminhe seu paciente!


con-e-hospital-samcordis-nova-parceria-amplia-o-cuidado-integral-aos-pacientes-oncologicos-em-sao-goncalo-e-regiao.jpg?time=1718874504

16/05/2022 CONMídia

O CON, centro de saúde referência no cuidado integral oncológico no estado do Rio de Janeiro e o Hospital Samcordis, maior complexo hospitalar de São Gonçalo, anunciam uma parceria que ampliará o atendimento à saúde da população do município.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), sem incluir as capitais São Gonçalo é a terceira cidade mais populosa do país, com 1.098.357 de habitantes.

Através de um fluxo seguro, garantido pela junção de expertises das duas instituições, a parceria pretende aumentar o acesso à assistência oncológica de qualidade, bem como ao tratamento adequado para pacientes com o diagnóstico de neoplasia maligna.

Em um modelo de cuidados oncológicos integrados, com atuação de uma equipe multidisciplinar de excelência, todo o atendimento será focado na necessidade do paciente, que será acolhido em todas as etapas, permitindo mais agilidade entre o diagnóstico e início do tratamento.

Sobre o CON l Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão

O CON é um Centro de Saúde que, desde 1995, atua com a missão de oferecer tratamentos e serviços que proporcionem conforto, bem-estar e qualidade de vida aos pacientes oncológicos. Acreditado pela ONA, é referência no cuidado oncológico no estado do Rio de Janeiro.

Sempre alinhado aos avanços científicos e tecnológicos mais recentes, possui atuação em tratamentos multidisciplinares nas áreas de oncologia clínica, onco-hematologia e de terapia infusional.

Saiba mais: https://www.con.com.br/

Sobre o Hospital Samcordis

Em atividade desde 1980, o Hospital Samcordis iniciou sua missão junto à população da cidade de São Gonçalo e região como um Hospital de pequeno porte e hoje, apresenta-se como um Hospital de Alta complexidade. O Hospital Samcordis é referência no município e demais regiões por ser reconhecido pela população como parceiro de confiança, pelo seu pioneirismo, tradição e excelência.

Saiba mais: https://www.samcordis.com.br/portal/


maio-cinza-conheca-o-cancer-de-cerebro-e-como-identifica-lo-1.jpg?time=1718874504

O Maio Cinza é uma campanha anual de conscientização do câncer de cérebro, com o objetivo principal de esclarecer a importância de sua detecção precoce. Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), em publicação no Atlas de Mortalidade por Câncer de 2020, houve 9.355 mortes por esse câncer no país e há uma estimativa de 11.090 novos casos.

Uma vez que os tumores iniciados no cérebro ou na medula espinhal, áreas que compõem o Sistema Nervoso Central (SNC), devem-se ao crescimento de células anormais nos tecidos dessa região, eles raramente são considerados benignos. Existe ainda uma classificação entre eles: 

  •  Primários: quando sua origem ocorre nas células do Sistema Nervoso Central (SNC);
  • Secundários: por metástase oriunda de outro órgão acometido, principalmente pulmão e mamas, sendo esta a forma mais comum.

Em geral, esses tipos de neoplasias são diagnosticados devido aos sintomas apresentados. Por isso é tão importante conhecê-los e identificá-los em sua fase inicial para dar ao paciente maiores chances de tratamento. 

Principais sintomas dos tumores cerebrais e da medula espinhal

Os sintomas desses cânceres são diversos e, ao mesmo tempo, específicos. Isso acontece porque o cérebro fica dentro de uma caixa de ossos que não se expande, portanto seu aumento em qualquer parte pode gerar uma hipertensão intracraniana. Alguns dos sinais mais comuns e que devem ser verificados são:

  • Dores de cabeça com alarmes, como as persistentes; novas; com piora de intensidade ou aumento de frequência; ou quando ela é fixa e tende a ser sempre no mesmo local.
  • Crises convulsivas, sobretudo quando acontece pela primeira vez ou sem um diagnóstico anterior de epilepsia.
  • Alterações percebidas em atividades neurológicas, como problemas de equilíbrio, de visão ou na audição; mudanças na personalidade ou no comportamento (apatia, agitação, agressividade que não eram anteriormente percebidas); além de redução nas habilidades intelectuais.
  • Além de náuseas, vômitos, dormências ou formigamentos (nos braços ou pernas, por exemplo).

Aqui, alertamos para o fato de que esses sintomas dependerão da área do órgão afetada, visto que tumores no cérebro ou na medula espinhal muitas vezes causam disfunções específicas do local onde se desenvolvem.

O que pode causar câncer no cérebro?

Sabe-se que cânceres do sistema nervoso central são doenças multifatoriais, cujo surgimento deve-se à soma de possíveis alterações genéticas adquiridas durante a vida, por predisposição ou exposição, ou mesmo de forma hereditária. Suas causas ainda são bastante estudadas, mas cientificamente só é possível afirmar dois fatores de risco que aumentam as chances do surgimento desses tumores nos órgãos:

  • Exposição à radiação ionizante, com no caso de profissionais que lidam com raio-X, pessoas que realizam radioterapia ou muitos exames com radiação (como a tomografia);
  • Insuficiência no sistema imunológico causada pelo vírus HIV ou em decorrência do uso de medicamentos ou drogas que possam suprimir funções do sistema imunológico.

Principais tipos de tratamento para o câncer cerebral e no SNC

É importante dizer que alguns tumores no cérebro podem ser retirados através de cirurgia, outros não. Nesse último caso, o tratamento terá enfoque em retardar seu crescimento e aliviar os sintomas, reduzindo-o junto a qualquer inchaço.

O tratamento dependerá da localização do tumor, do tipo, bem como de seu grau de avanço. Após a detecção, o tratamento iniciará com um procedimento neurocirúrgico para a sua extração ou a de fragmento de tecido que seguirá para uma biópsia. Para a realização do diagnóstico, a substância extraída é, então, examinada pelo médico patologista.

Todo o seguimento do tratamento será realizado pelo oncologista clínico, juntamente com outras especialidades médicas, como o neurocirurgião. Pela complexidade e visando o cuidado integral, outros profissionais da saúde também são envolvidos, como por exemplo: fisioterapeuta, enfermeiro, fonoaudiólogo e nutricionista.

 Fonte: INCA (Instituto Nacional de Câncer)

CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão no Rio de Janeiro

O corpo clínico do CON é formado por oncologistas e hematologistas, alinhados aos avanços científicos e tecnológicos disponíveis mundialmente, dentro dos preceitos éticos instituídos, proporcionando atendimento individualizado e humanizado aos pacientes com câncer.

Compondo a equipe de SCCI (serviços de cuidados clínicos integrados), contamos com enfermeiros, farmacêuticos, dentistas, nutricionistas, psicólogos e fisioterapeutas, todos com formação especializada em oncologia, profissionais dedicados e altamente capacitados para o restabelecimento da saúde, com foco no bem-estar, na qualidade de vida e no acolhimento contínuo.

Atendemos nos bairros Barra da Tijuca e Botafogo, no Rio de Janeiro; São Francisco, em Niterói e no Centro, em São Gonçalo.

Clique aqui para agendar a sua consulta no CON ou ligue para a nossa Central de Atendimento (21) 3820-0068.

Se você é médico, encaminhe seu paciente!


abril-lilas-mes-de-prevencao-ao-cancer-de-testiculo.jpg?time=1718874504

O câncer de testículo já esteve em várias matérias ao longo dos anos.

Isso porque diversos atletas conhecidos foram diagnosticados positivamente, fazendo com que a pauta saltasse aos olhos de milhares de pessoas.

Por ser considerado como um câncer raro, tende a oferecer uma falsa impressão de que é quase inexistente.

Mas o que acontece de fato é que é muito pouco procurado para um diagnóstico precoce, pois também é silencioso.

Neste Abril Lilás, trouxemos informações sobre esse tipo de neoplasia, a fim de reforçar para a população masculina a importância de cuidar da saúde, de forma constante.

 

O mais importante que você precisa saber é que o câncer de testículo tem grandes chances de cura, quando existe um diagnóstico precoce.

Isso porque, dessa forma, os tratamentos selecionados podem ter muito mais chances de sucesso.

É importante dizer que a faixa etária mais acometida por esse tipo de câncer está entre os 15 e 50 anos, idade produtiva do homem, o que pode levar a algumas preocupações de cunho emocional, principalmente porque apresenta progressão acelerada. Além disso, pode ser confundido ou mascarado por orquiepididimites (inflamação dos testículos e dos epidídimos – canais localizados atrás dos testículos, que coletam e carregam o esperma), normalmente transmitidas por contato sexual.

Conheça abaixo alguns fatores de risco que podem influenciar no surgimento desse tipo de câncer:

  • Criptorquidia: ocorre ainda durante o desenvolvimento do feto, quando um testículo (ou ambos) não descem da cavidade abdominal para a bolsa escrotal.
  • Doenças raras como a síndrome de Klinefelter, onde há um cromossomo X a mais.
  • Traumas ou lesões na bolsa escrotal.
  • Histórico familiar ou pessoal com a doença.
  • Trabalhadores expostos a agrotóxicos podem apresentar risco aumentado de desenvolvimento da doença.
  • Pessoas portadoras de HIV.

De acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer): “o tumor de testículo corresponde a 5% do total de casos de câncer entre os homens. É facilmente curado quando detectado de maneira precoce e apresenta baixo índice de mortalidade”.

 

Sinais e sintomas

Alguns sinais e sintomas são muito parecidos com os de doenças sexualmente transmissíveis, podendo ser confundidos.

Geralmente, o primeiro sinal é o surgimento de um nódulo duro e indolor no saco escrotal, havendo mais probabilidade de aparecer no que está localizado no lado direito.

Esse nódulo pode ter o tamanho aproximado de uma ervilha.

Também podem acontecer:

  • Aumento ou diminuição no tamanho dos testículos.
  • Endurecimentos.
  • Dor indefinida na parte inferior do abdômen.
  • Sangue na urina.
  • Aumento ou sensibilidade dos mamilos.

 

Como perceber possíveis alterações?

Apesar de não haver protocolo determinado, a realização do autoexame do testículo é muito importante e deve ser estimulada.

Em pé, em frente ao espelho, procure examinar cada testículo separadamente, com movimentos leves; tente sentir a presença de possíveis nódulos ou alterações em seus tamanhos, formas ou consistência.

Caso um testículo seja maior do que o outro não se assuste, é normal! Você não deve sentir dor durante o autoexame.

Se encontrar alguma alteração, por mínima que seja, procure um urologista para que um exame completo seja realizado.

Ele poderá solicitar exames como o de sangue e/ou ultrassonografia da bolsa escrotal.

 

Em casos avançados, os sintomas podem ser diferentes

  • Dor na parte inferior das costas.
  • Falta de ar, dor no peito e tosse demonstram que a doença pode ter avançado para os pulmões.
  • Dor abdominal, quando há metástases para o fígado.
  • Dor de cabeça e confusão quando atinge o cérebro.

Mas saiba que mesmo em casos avançados, onde tornam-se necessários tratamentos como a quimioterapia ou a radioterapia, a resposta desse tipo de tumor é favorável.

Como você já sabe, a prevenção e o diagnóstico precoce também são as maiores aliadas contra essa neoplasia, favorecendo assim o resultado dos tratamentos.

 

Um dos valores do CON é promover a educação, a prevenção e a conscientização de maneira constante

A Campanha Abril Lilás, fundamental para alertar a população masculina a respeito da prevenção e detecção precoce câncer de testículo, faz parte do calendário de ações do CON.

No site https://landing.con.com.br/con-prevencao-em-cores/ , conheça outros dados e estatísticas sobre a doença!

Além da informação qualificada, o objetivo é também cooperar com a extinção de alguns tabus e preconceitos que comprometem a nossa saúde e, por vezes, inviabilizam as formas de identificação da neoplasia.

Que tal compartilhar essas informações com os homens da sua vida?

Conte com o CON para restabelecer a sua saúde da melhor forma possível! Clique no banner a seguir e agende a sua consulta hoje mesmo.

Se você é médico, encaminhe seu paciente!


marco-azul-marinho-sintomas-diagnostico-e-tratamento-do-cancer-colorretal-1.jpg?time=1718874504

Alguns tipos de câncer costumam ter o desenvolvimento mais lento do que outros, como é o caso do câncer colorretal, que atinge homens e mulheres das mais diferentes faixas etárias.

De acordo com o INCA – Instituto Nacional do Câncer, para cada ano do triênio 2020/2022, 41.010 novos casos serão diagnosticados no país.

Tais números correspondem, de acordo com pesquisas estatísticas também divulgadas pelo INCA, a um risco estimado de 19,64 casos novos a cada 100 mil homens e 19,03 para cada 100 mil mulheres.

Ainda assim, segundo informações do Instituto Oncoguia, a taxa de mortalidade vem caindo gradativamente, sendo um dos motivos o fato de que os pólipos responsáveis por esse tipo de câncer podem ser detectados previamente e retirados antes de se transformarem em uma doença neoplásica.

 

Como se desenvolve o câncer colorretal

 

Caso se forme a partir de pólipos, tende a se desenvolver na parede do cólon ou do reto, sendo que tem início na camada mais interna dessa parede, onde se encontra a mucosa.

Esses pólipos geralmente não são cancerígenos antes que a doença se instale através do crescimento do tecido pelo qual é formado. Existem algumas características específicas dos pólipos, que podem levar ao desenvolvimento do câncer colorretal:

  • Pólipos adenomatosos (Adenomas): considerados como uma condição pré-cancerígena, pois podem se transformar em câncer.
  • Pólipos hiperplásicos e pólipos inflamatórios: são os mais frequentes. Geralmente não são pré-cancerígenos.
  • Pólipos serrilhados sésseis e adenomas serrilhados convencionais: tratados como adenomas por terem maior risco de câncer colorretal.

Ainda segundo o Instiuto Oncoguia, a maioria dos cânceres colorretais são adenocarcinomas, tendo início nas células que produzem o muco que lubrifica o interior do cólon e do reto.

 

Tipos de câncer que se iniciam no cólon ou no reto

 

O câncer colorretal, também possui diferentes tipos de tumores, que possuem características específicas e distintas.

  • Tumores carcinoides: começam nas células do intestino que produzem hormônios específicos.
  • Tumores estromais gastrointestinais (GIST): começam a partir de células específicas na parede do intestino denominadas células intersticiais de Cajal. Podem ser encontrados em qualquer parte do trato digestivo e são raros no cólon.
  • Linfomas: cânceres das células linfáticas como dos linfonodos, mas também podem se iniciar no cólon, no reto ou em outros órgãos.
  • Sarcomas: são raros e podem se iniciar nos vasos sanguíneos, no tecido muscular e conjuntivo, na parede do cólon e do reto.

Sendo assim, o rastreamento deve ser realizado mesmo que não existam sintomas, visto que as chances de sucesso no tratamento são mais elevadas quando o diagnóstico é precoce.

Como falamos anteriormente, o câncer colorretal tende a demorar muitos anos para se desenvolver, de dez a quinze anos em média. Ou seja, o rastreamento, nesse caso, é capaz de detectar as chances de um possível câncer antes mesmo que ele aconteça, e os pólipos podem ser retirados antes que se transformem na doença.

 

Fatores de risco e prevenção

 

Mesmo que os variados tipos de câncer possam acontecer com qualquer pessoa, existem alguns fatores que contribuem com a probabilidade de um diagnóstico positivo.

No caso do câncer colorretal, separamos alguns fatores de risco trazidos pelo INCA:

  • Idade igual ou acima de 50 anos.
  • Excesso de peso corporal e alimentação não saudável.
  • Consumo de carnes processadas.
  • Ingestão excessiva de carne vermelha.
  • Histórico familiar de câncer de intestino.
  • Histórico pessoal de câncer de intestino, ovário, útero ou mama.
  • Consumo de bebidas alcoólicas.
  • Doenças inflamatórias do intestino.
  • Doenças hereditárias (polipose adenomatosa familiar e câncer colorretal hereditário sem polipose).
  • Exposição ocupacional à radiação ionizante.
  • Atuação no ramo da radiologia.

Para que seja possível algum tipo de prevenção, existem alguns cuidados que devem ser tomados, tais como:

  • Manutenção do peso corporal adequado.
  • Prática de atividade física.
  • Alimentação saudável.
  • Evitar o consumo de carnes processadas.
  • Limitar o consumo de carnes vermelhas (até 500 gramas de carne cozida por semana).
  • Não fumar e não se expor ao tabagismo.

Detalhes simples, porém de extrema importância para manter a saúde em dia e evitar possíveis neoplasias.

 

Sinais e sintomas 

Geralmente, o câncer colorretal é bastante silencioso em sua fase inicial, não apresentando qualquer tipo de alteração no organismo, o que pode acabar dificultando a procura pelo rastreamento e, consequentemente, um possível diagnóstico precoce.

Caso alguma alteração das listadas abaixo ocorra, procure um médico de sua confiança e verifique a necessidade de realizar os exames de rastreamento indicados por ele:

  • Diarreia e dor vaga no abdômen;
  • Anemia, cansaço e fraqueza;
  • Obstipação intestinal progressiva;
  • Alternância entre diarreia e constipação;
  • Fezes com formato fino e comprido.

Muitas das vezes, esse tipo de câncer acompanha sangramento que pode ser visto nas fezes, podendo ser cumulativo e causar anemia, mesmo que não seja perceptível aos olhos.

Inclusive, às vezes, o primeiro sinal do câncer colorretal é a diminuição dos glóbulos vermelhos no exame de sangue.

Em alguns casos, outros órgãos podem apresentar sintoma, caso o câncer tenha se espalhado, como é o caso do fígado, que tem um aumento perceptível. Já no caso dos pulmões, pode ser observada a dificuldade de respirar, por exemplo.

Tais sintomas também estão relacionados a outras doenças, como infecção, hemorroidas ou síndrome do intestino irritável, não sendo necessariamente sinais e sintomas exclusivos do câncer colorretal. Converse sempre com um médico!

 

Quem deve realizar o rastreamento

Existem diferentes graus de risco, os quais devem ter atenção especial para o rastreamento do câncer:

  • Pessoas com risco médio devem iniciar o rastreamento regular aos 45 anos.
  • Pessoas em bom estado geral de saúde e expectativa de vida de mais de 10 anos devem manter o rastreamento do câncer colorretal regularmente até os 75 anos de idade.
  • Pessoas com idades entre 76 e 85 anos, a decisão de fazer o rastreamento deve estar baseada em suas preferências pessoais, expectativa de vida, estado geral de saúde e histórico de rastreamento anterior.
  • Pessoas com mais de 85 anos não precisam mais fazer o rastreamento de câncer colorretal.

As pessoas consideradas como risco médio, conforme falado acima, são as que NÃO apresentam:

  • Histórico pessoal de câncer colorretal ou certos tipos de pólipos.
  • Histórico familiar de câncer colorretal.
  • Histórico pessoal de doença inflamatória intestinal (colite ulcerativa ou doença de Crohn).
  • Síndrome de câncer colorretal hereditário confirmada ou suspeita, como polipose adenomatosa familiar ou síndrome de Lynch.
  • Histórico pessoal de radioterapia prévia do abdome ou região pélvica.

Pessoas com risco aumentado ou alto podem precisar iniciar o rastreamento antes de completar os 45 anos, além da necessidade de realizarem alguns exames mais específicos e/ou com mais frequência. Quem são elas:

  • Histórico familiar importante de câncer colorretal ou certos tipos de pólipos.
  • Histórico pessoal de câncer colorretal ou certos tipos de pólipos.
  • Histórico pessoal de doença inflamatória intestinal (Colite ulcerativa ou doença de Crohn).
  • Histórico familiar de síndromes de câncer colorretal hereditárias, como polipose adenomatosa familiar ou síndrome de Lynch.
  • História pessoal de radioterapia prévia do abdome ou região pélvica.
  • Pessoas que tiveram pólipos removidos durante uma colonoscopia.
  • Pessoas que tiveram câncer de reto ou cólon.
  • Pessoas com determinadas síndromes genéticas.
  • Pessoas com um ou mais familiares que tiveram câncer de cólon ou reto.

As recomendações de rastreamento para essas pessoas dependem do familiar que teve a doença e da idade no momento do diagnóstico.

Algumas com histórico familiar poderão seguir as recomendações para adultos com risco médio, mas outras podem precisar realizar colonoscopia com maior frequência e, possivelmente, antes dos 45 anos.

Algumas opções de exames para rastreamento

 

É importante dizer que qualquer um desses exames, dependendo do resultado, deverá ser complementado com outros tipos de exames solicitados pelo médico responsável.

Exames de imagem como colonoscopia e ultrassom (abdominal, endorretal, intraoperatório), entre outros possíveis.

Além de exames de sangue, como hemograma completo, de fezes e biopsias.

 

Tratamentos disponíveis para o câncer colorretal

 

Após a realização dos exames necessários, diagnóstico e estadiamento da doença, o médico responsável discutirá com o paciente as opções de tratamento.

Para a escolha, várias análises são realizadas, como os benefícios de cada opção, riscos, prós, contras e efeitos colaterais.

Os tratamentos também dependerão do estágio em que o câncer se encontra, podendo ser:

  • Tratamentos locais: tratam o tumor sem afetar o resto do corpo, como cirurgia, radioterapia, ablação e embolização. Indicados para cânceres em estágio inicial, mas também podem ser usados ​​em outras situações.
  • Tratamentos sistêmicos: utilização de medicamentos que são administrados por via oral ou diretamente na corrente sanguínea, podendo atingir as células cancerígenas em qualquer lugar do corpo (quimioterapia, terapia-alvo ou imunoterapia, por exemplo).

O importante é receber o tratamento adequado e manter uma boa qualidade de vida. Opte sempre por realizar seus exames em dia, favorecendo um diagnóstico precoce e maiores chances de cura!

Fontes:  https://www.inca.gov.br/ e http://www.oncoguia.org.br/

 

Conte com o CON para restabelecer a sua saúde da melhor forma possível! Clique no banner a seguir e agende a sua consulta hoje mesmo.

 

Se você é médicoencaminhe seu paciente!

 


Tratamentos em Oncologia, Hematologia para pacientes oncológicos e um Centro de Infusão para cuidados não oncológicos no Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo.


Agende sua consulta – (21) 3820-0068Pré-agendamento on-lineEncaminhe um paciente

Copyright © 2024 - CON. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste website têm caráter meramente informativo e educacional e não devem ser utilizadas para autodiagnóstico ou automedicação. Em caso de dúvidas, consulte seu médico, porque somente ele está habilitado a realizar a formulação do diagnóstico nosológico e a respectiva prescrição terapêutica.