fbpx

Setembro Verde – Mês de conscientização do câncer colorretal ou de intestino grosso

29 de setembro de 2021 0
setembro-verde-mes-de-conscientizacao-do-cancer-colorretal-ou-de-intestino-gros-1200x900.jpg

O câncer de colorretal ou de intestino grosso é a segunda neoplasia maligna mais frequente em mulheres e a terceira mais frequente em homens no mundo.

Considerando o cenário brasileiro, mesmo com avanço tecnológico na área de diagnóstico e tratamento, assume a terceira posição mais comum de câncer, sendo motivo de preocupação.

Dessa forma, por iniciativa da Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP), o Setembro Verde surge como uma campanha para alertar e conscientizar a população a respeito do câncer de intestino grosso.

No último ano, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) contabilizou a incidência de 40.990 novos casos, sendo 20.520 homens e 20.470 mulheres. 

Com isso, alerta-se para realização de checkups periódicos, pois a identificação precoce da doença é passível de tratamento e pode garantir a diminuição dos níveis de morbidade e mortalidade.

Neste post falaremos sobre os sintomas e fatores de risco para desenvolvimento desse tipo de neoplasia, bem como suas formas de prevenção e tratamento. Confira!

O que é o câncer de colorretal ou de intestino grosso?

O câncer de colorretal é um tipo de tumor que inicia-se pela formação de pólipos na parede do intestino grosso, chamada de cólon, e no reto, final do intestino.

Os pólipos são lesões benignas que desenvolvem-se na parede do cólon e, quando associados com predisposição genética e hábitos não saudáveis de vida, tendem a desenvolver esse tipo de câncer ao longo do tempo.

Quando detectado precocemente, o câncer pode ser tratável e o paciente obtém grandes chances de cura, caso o tumor não tenha se espalhado para outros órgãos.

Sintomas do câncer de colorretal

Esse tipo de tumor não apresenta sintomas em sua fase inicial, por isso, recomenda-se a realização da colonoscopia a partir dos 50 anos.

Esse exame permite a visualização do intestino por dentro, sendo feito por meio da introdução de um tubo flexível acoplado a uma câmera.

Logo, é possível que seja efetuada a retirada de algum pólipo que seja detectado, pois é a partir deles que os tumores malignos se originam.

Como consequência do tipo de tumor e sua localização, deve-se considerar que essa neoplasia leva ao surgimento dos seguintes sintomas:

  • Diarreia e dor vaga no abdômen;
  • Anemia, cansaço e fraqueza;
  • Obstipação intestinal progressiva;
  • Alternância entre diarreia e constipação;
  • Sangramento frequente, misturado ou não com fezes;
  • Fezes com formato fino e comprido.

Para tanto, é recomendável procurar apoio médico para que possa ser feita uma investigação do quadro do paciente e o tratamento específico seja iniciado; uma vez que esses sinais também podem ser encontrados em quadros de hemorroidas, verminose, úlcera gástrica e outros.

Principais fatores de risco

Como principais fatores para desenvolvimento desse tipo de câncer, podemos destacar:

  • Idade igual ou acima de 50 anos;
  • Obesidade;
  • Alcoolismo;
  • Sedentarismo;
  • Tabagismo;
  • Consumo exagerado de carne vermelha ou processada;
  • Baixa ingestão de cálcio, frutas e fibras.

Além disso, outros fatores de risco estão associados à origem hereditária da doença, o que inclui histórico familiar do câncer de colorretal, condições genéticas como a polipose adenomatosa familiar e o câncer colorretal hereditário sem polipose.

Ainda, destaca-se o histórico de doença inflamatória intestinal crônica e diabetes tipo 2; bem como fatores como a exposição ocupacional à radiação ionizante.

Prevenção

O aconselhamento genético para pacientes que tenham parentes de primeiro grau com câncer intestinal ou pólipos é recomendado, pois assim obtém-se orientação a respeito da melhor época e frequência para realização do exame de colonoscopia.

As medidas preventivas para o câncer de intestino grosso incluem o aumento do consumo de frutas e legumes, bem como de cereais integrais como arroz, pães, aveia, cevada e outros.

Além disso, a diminuição da ingestão de carne vermelha ou processada, como também a diminuição do consumo de bebidas alcoólicas e tabagismo.

Deve-se destacar também a importância da prática de atividade física de forma regular, pois auxilia o indivíduo a manter um peso adequado, evita o sedentarismo e melhora a qualidade de vida.

Para os pacientes com idade superior a 50 anos e que não se enquadram nos fatores de risco, por apresentar um baixo risco de desenvolver a doença, é aconselhável realizar anualmente uma pesquisa de sangue oculto nas fezes e retossigmoidoscopia a cada cinco anos.

Saiba quais são as formas de tratamento

Como vimos, o câncer de colorretal é uma doença tratável e curável, quando o tumor não se espalhou para outros órgãos.

Com isso, a primeira forma de tratamento é a cirurgia, que tem como finalidade retirar a parte do intestino afetada e os gânglios linfáticos (pequenas estruturas que comportam o sistema de defesa do corpo) dentro do abdome.

Considera-se também o tratamento por meio da realização de radioterapia, associada ou não à quimioterapia, no intuito de diminuir a possibilidade de retorno do tumor.

As formas de tratamento dependerão de fatores como tamanho, localização e extensão do tumor. 

Caso seja identificado que a doença está em fase de metástase, espalhando-se para outros órgãos, as chances de cura podem ficar reduzidas.

Por fim, após realizado o tratamento, é imprescindível que o paciente continue com o acompanhamento médico para que possa ser feito o monitoramento de recidivas (retornos) ou novos tumores.

O Setembro Verde procura conscientizar a população para a gravidade do câncer de colorretal, caso não seja diagnosticado precocemente. 

Não deixe de realizar os seus exames e procure um médico especialista caso sinta algum dos sintomas mencionados.

 

Conte com o CON para restabelecer a sua saúde da melhor forma possível! Clique no banner a seguir e agende a sua consulta hoje mesmo.

Se você é médico, encaminhe seu paciente!

Agendamento de consulta

 


Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. * Campos obrigatórios


O CON faz parte da:

CON - Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão - Todos os direitos reservados Copyright 2021